Laranjas

Experimentamos a criação coletiva – adiciona-se a isto nomes: Cristina, Cristiano, Fabiana e Jorge. Fricção entre pertencimento e estranhamento em ambientes, seus habitantes, elementos, temperaturas, e o que ainda não está: ações diretas e capilares, sem dentro e nem fora. Desterro lar_anja.

Por Cristina Ribas:

O grupo Laranjas foi formado por integrantes que, primeiramente morando em Porto Alegre, em seguida começaram a se espalhar pelo Brasil e pelo Mundo. Observando esse movimento e os trabalhos que passamos a realizar desde então – quando já não convivíamos em um mesmo contexto – percebi que diversos de nossos trabalhos se tornaram o intento de construir um território comum. A fala realizada no Museu da República foi orientada no sentido de elaborar com o público questões de processo colaborativo, dimensões amplas de tempo e espaço, e uma utopia de pertencimento, acolhida pelo próprio território laranjas.

 

Blog do grupo

Currículo atualizado

Vídeo Uma estrada de chão apresentado na palestra

Dissertações e Tese de doutorado

Texto Campo Coletivo por Fernanda Albuquerque

Carimbo território. Carimbo que o grupo usa em passaportes. Trabalho sem tempo determinado. Ad infinitum
Ajuste laranja. 2003. Minuto laranja: apresentação de um vídeo de 1 minuto laranja na casa de diversas pessoas até então desconhecidas. Porto Alegre – RS.
Casamento Lazama. Setembro e Outubro 2007, Casamento Laranja. Banca de casamentos, na qual o grupo é o “cura”, o mestre de cerimônias que viabiliza os casamentos livres: “casa-te com o que queiras” é o lema. O “Procotolo Laranja”, documento que oficializa o casamento, foi traduzido para o espanhol. Realizado no Parque Lazama e no espaço re-galeria Belleza y Felicidad/ Tosto na exposição “Desde Rio” Buenos Aires, Argentina.
Casamento Lazama. Setembro e Outubro 2007, Casamento Laranja. Banca de casamentos, na qual o grupo é o “cura”, o mestre de cerimônias que viabiliza os casamentos livres: “casa-te com o que queiras” é o lema. O “Procotolo Laranja”, documento que oficializa o casamento, foi traduzido para o espanhol. Realizado no Parque Lazama e no espaço re-galeria Belleza y Felicidad/ Tosto na exposição “Desde Rio” Buenos Aires, Argentina.
Imersão. Experiências no Sítio da estrada Florescente, onde o grupo Laranjas ia quase todo final de semana. Experiência com corante laranja.
Imersão NBP. Experiências no Sítio da estrada Florescente, onde o grupo Laranjas ia quase todo final de semana. Imagem NBP com o NBP de Ricardo Basbaum.
Laranjeira Caçapava. Fotografia de Cristina Ribas, para o Grupo Laranjas. Imagem realizada em Caçapava, Rio Grande do Sul, 2004.
Linha laranja África e Sul. Projeto Linha Laranja ao Redor do Planeta Terra, ainda não realizado. Pó de cor laranja no paralelo 30º, espalhado no sentido leste-oeste, seguindo o movimento do Sol ao redor da Terra, parando no Sul da África.
Linha laranja África e Sul. Projeto Linha Laranja ao Redor do Planeta Terra, ainda não realizado. Pó de cor laranja no paralelo 30º, espalhado no sentido leste-oeste, seguindo o movimento do Sol ao redor da Terra, parando no Sul da África.
Bloco. Um dos quatro trabalhos apresentados na exposição Campo coletivo. Livro “Virtuosismo e Revolução” de Paolo Virno, inserido na Biblioteca da Base Móvel. CC Maria Antônia, São Paulo, 2008.
Bloco. Um dos quatro trabalhos apresentados na exposição Campo coletivo. Livro “Virtuosismo e Revolução” de Paolo Virno, inserido na Biblioteca da Base Móvel. CC Maria Antônia, São Paulo, 2008.
Linha. Desenho de Cristina Ribas, para a fala no Museu da República, 2008.
Recife trabalho: Mapa realizado com carvão e adesivo cor de laranja, marcando as casas visitadas nas cidades de Recife e Olinda para o trabalho “Onde você morou antes?”.
Recife trabalho: imagens da exposição Área de Trabalho, Galeria Massangana, Recife, 2005.